Ipatinga, 25 de maio de 2024

Pastoral da Aids realiza Vigília pelos Mortos de Aids neste fim de semana, com o tema “memória e reconhecimento”

18 de maio de 2023   .   

A Pastoral da Aids da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove, neste fim de semana, 20 e 21 de maio, a Vigília Pelos Mortos de Aids. Este ano a vigília traz o tema “Memória e Reconhecimento”, expressão que coloca em comunhão as pessoas que faleceram e estão na presença de Deus, com aquelas que cuidam da vida e buscam que os direitos humanos sejam respeitados.

No dia 20 de maio, será realizada a missa nacional da vigília diretamente do Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em São Paulo com transmissão ao vivo pela TV Aparecida, presidida pelo bispo de Nova Friburgo (RJ) e bispo referencial da Pastoral da Aids na CNBB, dom Luiz Ricci. Já no domingo dia 21, a celebração será realizada pelas equipes da Pastoral da Aids em 17 regionais da CNBB.

A Vigília pelos mortos de Aids é um movimento internacional que iniciou em maio 1983. Um grupo formado por mães, parentes e amigos de pessoas que morreram por causa do HIV, organizou, em Nova Iorque, a Primeira Vigília Pelos Mortos da Aids. De 1980 a junho de 2022, foram identificados 1.088.536 casos de aids no Brasil. O país tem registrado, anualmente, uma média de 36,4 mil novos casos de aids nos últimos cinco anos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que desde o início da epidemia, em 1981, até os dias atuais, mais de 40 milhões de pessoas morreram de Aids em todo o mundo. E continuam a morrer… Segundo o Boletim Epidemiológico (BRASIL, 2022), desde o início da epidemia de Aids no Brasil (1980) até 31 de dezembro de 2022, foram notificados no Brasil 371.744 óbitos tendo o HIV/Aids como causa básica.

Em 2023, com o tema “Memória e Reconhecimento”, queremos recordar a profecia que nos faz esperançar num mundo sem aids. Neste dia queremos fazer memória dos mortos em consequência da Aids, e suscitar nossa solidariedade com as pessoas que vivem e convivem com o HIV, despertando toda a população para a prevenção. A igreja, mobilizada pela Pastoral da Aids e por entidades comprometidas com a causa, dá sua contribuição promovendo a solidariedade. Lembra, ao mesmo tempo, que a morte não é a última palavra sobre o humano. Cristo ressuscitou para que transformemos os sinais de morte em sinais de vida.

CNBB

FacebookWhatsAppTwitter