Ipatinga, 25 de maio de 2024

Dom Maurício sobre o projeto Igrejas Irmãs: “Uma expressão da maturidade da fé, pois a missão é uma questão de fé”

16 de abril de 2024   .   

Um projeto de duas mãos, duas vias. Assim define o bispo de Rondonópolis-Guiratinga (MAT) e presidente da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial, dom Maurício da Silva Jardim, o “Projeto Igreja Irmãs é um dar e receber”, dado que “a Igreja que envia se enriquece e se torna mais missionária ao enviar”. O bispo aprofundou o assunto na coletiva de imprensa desta segunda-feira, 15, no Centro de Evento Pe. Vítor Coelho.

O bispo também fala do próprio missionário, “indo para essa ação missionária, ele também se enriquece, não só leva, mas também recebe”, lembrando as palavras de São Paulo VI, que dizia: “Quem evangeliza se evangeliza”. Duas mãos que “têm tornado as Igrejas locais do Brasil cada vez mais missionárias, porque dando da sua pobreza, a própria Igreja local se torna mais missionária”, enfatiza dom Maurício da Silva Jardim.

História

Há 52 anos, o Projeto Igrejas Irmãs, que envia pessoas e recursos econômicos, é considerado pelo presidente da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial como “uma expressão da maturidade da fé”, elemento presente na Redemptoris Missio, onde é colocado que a missão é uma questão de fé. O bispo insiste em que “a maturidade da fé é quando a Igreja envia pessoas e coopera com outra igreja”, sendo o “Projeto Igrejas Irmãs um sinal da maturidade da fé das igrejas locais que cooperam com igrejas mais necessitadas”.

O projeto responde aos desafios de cooperação missionária da Igreja no Brasil, inspirado no Documento de Aparecida, que no número 379 diz: “somos Igrejas pobres, mas, devemos dar a partir de nossa pobreza e a partir da alegria de nossa fé”. O objetivo é sensibilizar e conscientizar as Igrejas particulares do Brasil para a cooperação missionária, na partilha do dom fé, das experiências pastorais, dos recursos humanos e financeiros como gestos concretos de caridade cristã.

Ninguém pode esquecer que na Igreja somos cooperadores da única missão de Deus, sendo a missão mais do que uma dimensão ou atividade. A missão é natureza da Igreja, sua identidade. A Igreja é missão. A vida é missão. A Igreja do Brasil está empenhada nesse propósito, sendo a formação das comunidades eclesiais missionárias, chamadas a ter a missão como eixo fundamental, uma prioridade da Igreja no Brasil.

Nessa perspectiva se situa a cooperação missionária, que pode ser espiritual, econômica ou com a própria vida. O “Projeto Igrejas Irmãs” é um projeto para todos os batizados, sustentado na espiritualidade missionária, e realizado no diálogo e inculturação. A Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial destaca no envio missionário a necessidade de discernimento na escolha de missionários para missão ad gentes, sua preparação, manutenção, acompanhamento, a temporalidade e continuidade, e retorno e reinserção na Igreja local. Atualmente, segundo pesquisa realizada pela Comissão, das 212 Igrejas locais que responderam, 99 participam do projeto e 113 não participam.

CNBB

FacebookWhatsAppTwitter