Ipatinga, 08 de julho de 2020

Novo diretório de catequese: atualizando o evangelho

26 de junho de 2020   .    Notícias em Geral

NOVO DIRETÓRIO DE CATEQUESE: ATUALIZANDO O EVANGELHO

Após o “Diretório Catequético Geral” de 1971 e o “Diretório Geral de Catequese” de 1997, é publicado hoje o novo “Diretório de Catequese”, elaborado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização. O documento foi aprovado pelo Papa Francisco, em 23 de março de 2020, memorial litúrgico de São Turíbio de Mogrovejo que, no século XVI, deu um forte impulso à evangelização e à catequese

A peculiaridade do novo Diretório é o estreito vínculo entre evangelização e catequese, que sublinha a união entre o primeiro anúncio e o amadurecimento da fé, à luz da cultura do encontro. Essa peculiaridade – explica ele – é mais necessária diante de dois desafios para a Igreja na era contemporânea: a cultura digital e a globalização da cultura. Em mais de 300 páginas, divididas em 3 partes e 12 capítulos, o texto lembra que toda pessoa batizada é um discípulo missionário e que esforços e responsabilidades são urgentemente necessários para encontrar novas linguagens com as quais comunicar a fé. Três são os princípios básicos com quais se pode agir: o testemunho, porque “a Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração”; misericórdia, a catequese autêntica que torna credível a proclamação da fé e diálogo, livre e gratuito, que não obriga, mas que, a partir do amor, contribui para a paz. Dessa forma – explica o Diretório – a catequese ajuda os cristãos a dar pleno sentido à sua existência.

A formação dos catequistas

Em sua primeira parte, intitulada “A catequese na missão evangelizadora da Igreja”, o texto se concentra, em particular, na formação dos catequistas: para que eles sejam testemunhas credíveis da fé, devem ” ser  catequistas antes mesmo de  fazer os catequistas “e, portanto, terão que trabalhar com gratuidade, dedicação, coerência, segundo uma espiritualidade missionária que os afaste do “esforço pastoral estéril” e do individualismo. Professores, educadores, testemunhas e catequistas devem acompanhar a liberdade dos outros com humildade e respeito. Ao mesmo tempo, será necessário “estar vigilante para garantir que todas as pessoas, especialmente menores e pessoas vulneráveis, tenham proteção absoluta garantida contra qualquer forma de abuso”. Os catequistas também são convidados a adotar um “estilo de comunhão” e a serem criativos no uso de ferramentas e linguagens.

A linguagem da catequese: narração, arte, música 

O desafio da linguagem está presente, em particular, na segunda parte do Diretório, intitulada “O processo de catequese”. Numerosas modalidades expressivas mencionadas, a partir da narração, definida como “um modelo comunicativo profundo e eficaz”, pois são capazes de entrelaçar, de modo fecundo, a história de Jesus, a fé e a vida dos homens. Depois, é importante a arte que, por meio da contemplação da beleza, permite fazer a experiência do encontro com Deus, enquanto que a música, especialmente a música sacra, instila no espírito humano o desejo pelo infinito.

Catequese na vida das pessoas: a importância da família

 Quando a catequese se torna concreta na vida das pessoas é que emerge claramente a importância da família: um sujeito ativo de evangelização e um lugar natural para viver a fé de maneira simples e espontânea. Oferece, de fato, uma educação cristã “que mais testemunha do que ensina”, por um estilo humilde e compassivo. Diante de situações irregulares e de novos cenários familiares presentes na sociedade contemporânea, nos quais há um esvaziamento do significado transcendente da família, a Igreja pede que se acompanhe na fé, com proximidade, escuta e compreensão, numa ótica de cuidado, respeito e solicitude, para devolver a todos a confiança e a esperança e superar a solidão e a discriminação. A catequese também será projetada de acordo com as faixas etárias de seus destinatários: crianças, jovens, adultos, idosos. Mas, embora diversificada nas linguagens, deve ter um estilo único: o de acompanhamento, que torna os catequistas testemunhas credíveis, convictos e comprometidos, discretos mas presentes, capazes de valorizar as qualidades de cada fiel e de fazê-lo se sentir acolhido e reconhecido dentro da comunidade cristã.

“Cultura de inclusão” e acolhimento de deficientes e migrantes

Hospitalidade e reconhecimento são as palavras-chave que devem acompanhar também a catequese com as pessoas com deficiência: diante do constrangimento e do medo que podem despertar, porque lembram a dor e a morte, será importante responder com uma “cultura de inclusão” que vença a “da exclusão”. As pessoas com deficiência são, de fato, testemunhas das verdades essenciais da vida humana, como a vulnerabilidade e a fragilidade, devendo, portanto, ser aceitas como um grande dom, enquanto suas famílias merecem “respeito e admiração”. Outra categoria específica mencionada pelo Diretório é dos migrantes que, longe de sua terra natal, podem sofrer uma crise de fé: para eles também, a catequese terá que se concentrar em acolhida, confiança e solidariedade, a fim de que sejam sustentados na luta contra os preconceitos e aos graves perigos em que possam sucumbir, como o tráfico de seres humanos.

A prisão, “autêntica terra missionária”; a opção preferencial pelos pobres

O documento, ainda, olha para as prisões como uma “autêntica terra de missão”: para os presos, a catequese será o anúncio da salvação em Cristo, perdão e libertação, juntamente com uma escuta atenta que mostra o rosto materno da Igreja. Entre as categorias mais marginalizadas, a Igreja não esquece os pobres: a opção preferencial por eles seja também  “atenção espiritual” – pede o Diretório – lembrando o primado da caridade e a importância de um dinamismo missionário que, no encontro com o mais necessitado, realize o encontro com Cristo. “A Igreja também – recomenda o texto – é chamada a experimentar a pobreza como abandono total a Deus, sem confiar nos meios mundanos”. Nesse contexto, a catequese deve educar para a pobreza evangélica, promover a cultura da fraternidade e fomentar nos fiéis a indignação pelas situações de miséria e injustiça. Além disso, nas proximidades do Dia Mundial dos Pobres, a reflexão catequética deve ser acompanhada de “um compromisso concreto e direto, com sinais tangíveis de atenção aos pobres e marginalizados”.

Paróquias, associações e escolas católicas

Na terceira parte, dedicada à “catequese nas Igrejas Particulares”, emerge, sobretudo, o papel das paróquias, associações e movimentos eclesiais e das escolas católicas. Das primeiras, definidas como “exemplo de apostolado comunitário”, destaca-se a “plasticidade” que as torna capazes de uma catequese criativa, “em escuta” e “em saída”  em relação às experiências das pessoas. Das associações e movimentos, por outro lado, é lembrada a “grande capacidade evangelizadora” que os torna uma “riqueza da Igreja”, desde que cuidem da formação e da comunhão eclesial. Quanto às escolas católicas, eles são instadas a mudar de escolas-instituições para escolas-comunidades ou comunidades, ou seja, de fé com um projeto educativo baseado nos valores do Evangelho.

Ensino de religião e catequese: distintos, mas complementares

Nesse contexto, um parágrafo à parte é dedicado ao ensino da religião, que – enfatiza – é distinto, mas complementar à catequese, e é caracterizado por dois aspectos: o entrar em relações com outros conhecimentos e saber transformar o conhecimento em sabedoria da vida. “O fator religioso é uma dimensão da existência e não deve ser esquecido”, diz o Diretório; portanto, “é direito dos pais e dos alunos” receber uma formação integral que também leve em consideração o ensino da religião. O importante é que isso sempre ocorra através de um diálogo aberto e respeitoso, livre de conflitos ideológicos.

Pluralismo cultural e pluralismo religioso: a relação com o judaísmo e o islã

Um grande capítulo enfoca os diferentes cenários contemporâneos com os quais a catequese deve se confrontar: pluralismo cultural que leva ao tratamento superficial de questões morais; os contextos urbanos difíceis, muitas vezes desumanos, violentos e segregantes; o confronto com os povos indígenas que requer conhecimento adequado para superar os preconceitos; a piedade popular e seu ser, por um lado, um “lugar teológico” e “reserva de fé”, mas, por outro, o correr o risco de se abrir para superstições e seitas. Em todos esses ambientes, a catequese é chamada a trazer esperança e dignidade, a superar o anonimato e a promover a proteção ambiental. Setores especiais também são os do ecumenismo e do diálogo inter-religioso com o judaísmo e o islamismo: em relação ao primeiro ponto, o Diretório enfatiza como a catequese deve “despertar o desejo de unidade” entre os cristãos, para ser “um instrumento credível de evangelização”. Quanto ao judaísmo, convida-se um diálogo que combata o antissemitismo e promova a paz e a justiça. Diante do fundamentalismo violento que, às vezes, pode se encontrar no Islã, a Igreja pede que evitem generalizações superficiais, promovendo o conhecimento e o encontro com os muçulmanos. De qualquer forma, em um contexto de pluralismo religioso, a catequese deverá “aprofundar e fortalecer a identidade dos crentes”, ajudando-os no discernimento e promovendo seu impulso missionário por meio de testemunho, da colaboração e do diálogo “afável e cordial”. Quanto ao judaísmo, convida-se um diálogo que combate o antissemitismo e promova a paz e a justiça. Diante do fundamentalismo violento que às vezes se encontra no Islã, a Igreja pede que evitem generalizações superficiais, promovendo o conhecimento e encontro com muçulmanos. De qualquer forma, em um contexto de pluralismo religioso, a catequese deve “aprofundar e fortalecer a identidade dos crentes”, ajudando-os a serem discernidos e promovendo seu ímpeto missionário por meio de testemunho, colaboração e diálogo “afável e cordial”.

 O mundo digital: luzes e sombras

A reflexão do Diretório passa então ao tema digital: primeiro, reitera-se a importância de garantir, na “rede”, uma presença, que testemunhe os valores do Evangelho. Portanto, os catequistas são instados a educar as pessoas sobre o bom uso do digital: em particular, os jovens deverão ser acompanhados, pois o mundo virtual pode ter profundas repercussões no gerenciamento das emoções e na construção da identidade. Hoje, a cultura digital – continua o documento – é percebida como “natural”, tanto que mudou a linguagem e as hierarquias de valores em escala global. Rico em aspectos positivos (por exemplo, enriquece as habilidades cognitivas e promove informações independentes para proteger as pessoas mais vulneráveis), ao mesmo tempo em que o mundo digital também possui um “lado sombrio”: pode trazer solidão, manipulação, violência, cyberbullying, preconceitos, ódio. Não apenas isso: a narrativa digital é emocional, intuitiva e envolvente, mas é desprovida de análises críticas, acabando por tornar os destinatários simples usuários, em vez de decodificadores de uma mensagem. Sem esquecer a atitude quase “fideísta” que você pode ter em relação, por exemplo, a um mecanismo de pesquisa.

Combater a cultura do instantâneo

Então, o que a catequese pode fazer nesse setor? Educar, antes de tudo, para combater  a “cultura do instantâneo”, desprovida de hierarquias e perspectivas de valor, fraca na memória e incapaz de distinguir verdade e qualidade. Acima de tudo, os jovens serão acompanhados na busca de uma liberdade interior que os ajude a se diferenciar do “rebanho social”. “O desafio da evangelização envolve o da inculturação no continente digital”, afirma o Diretório, reiterando a importância de oferecer espaços de experiência de fé autêntica, capazes de fornecer chaves interpretativas para temas fortes, como corporalidade, afetividade, justiça e paz.

Ciência e fé: conflitos aparentes, testemunho de cientistas cristãos

O documento enfoca a ciência e a tecnologia. Reafirmando que devem se orientar para a melhoria das condições de vida e o progresso da família humana, colocando-se assim a serviço da pessoa, ao mesmo tempo em que o Diretório recomenda uma catequese bem preparada e aprofundada que saiba combater uma divulgação científica e tecnológica muitas vezes imprecisa. Por isso, exorta-nos a eliminar preconceitos e ideologias e a esclarecer os aparentes conflitos entre ciência e fé, além de valorizar o testemunho de cientistas cristãos, um exemplo de harmonia e síntese entre os dois. O cientista, de fato, busca a verdade com sinceridade, se inclina à comunicação e ao diálogo, ama a honestidade intelectual e pode, portanto, favorecer a inculturação da fé na ciência.

Bioética: nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente admissível

Uma reflexão, à parte, contudo, deve ser feita para a bioética, partindo do pressuposto de que “nem tudo o que é tecnicamente possível é moralmente admissível”. Portanto, será necessário distinguir entre intervenções terapêuticas e manipulações, e prestar atenção à eugenética e às discriminações que ela implica. Quanto à denominação de “gênero”, recorde-se que a Igreja acompanha “sempre e em qualquer situação”, sem julgar, pessoas que vivem situações complexas e, às vezes, conflitantes. No entanto, “numa perspectiva de fé, a sexualidade não é apenas um dado físico, mas é uma realidade pessoal, um valor confiado à responsabilidade da pessoa”, “uma resposta ao chamado original de Deus”. Em bioética, portanto, os catequistas precisarão de treinamento específico que parte do princípio da sacralidade e inviolabilidade da vida humana, que contrastam a cultura da morte. Nesse sentido, o Diretório condena a pena de morte, definida como “uma medida desumana que humilha a dignidade da pessoa”.

Conversão ecológica, compromisso social e proteção ao emprego

Entre as outras questões abordadas no documento, a referência a uma “profunda conversão ecológica” a ser promovida através de uma catequese atenta à proteção da Criação, inspiradora de uma vida virtuosa, longe do consumismo, porque “a ecologia integral é parte integrante da vida cristã”. Há também um forte incentivo a um compromisso social ativo dos católicos, para agirem em favor do bem comum,  combatendo as estruturas do pecado com a retidão moral e a abertura ao diálogo. Quanto ao mundo do trabalho, exorta-se a evangelização de acordo com a Doutrina Social da Igreja, com especial atenção à defesa dos direitos dos mais fracos. Finalmente, os dois últimos capítulos do Diretório enfocam os catecismos locais, com as indicações relativas para obter a aprovação da Sé Apostólica, e sobre os organismos a serviço da catequese, entre eles o Sínodo dos Bispos e as Conferências Episcopais.

Fonte: site do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização – 25.06.2020

Artigo de Isabella Piro

Tradução Marlene Maria Silva

FacebookWhatsAppTwitter